Controles de fôrmas para edificações em altura

Controles de fôrmas para edificações em altura

 

Por Forsa

 

Figura 1

 

Escolher uma boa fôrma é um elemento determinante para alcançar a qualidade de uma obra (figura 1), porém o mais importante é conhecer os controles de cada sistema para alcançar a excelência. Por isso, é nosso interesse facilitar a vida do construtor e para isso compartilhamos alguns pontos para avaliar cada etapa da obra e assim evitar todo tipo de contratempo e patologias na estrutura.

 

As principais características que devem ter uma estrutura de concreto de excelente qualidade estão diretamente relacionadas com seus elementos verticais, como paredes e pilares devidamente aprumados, seus níveis e juntas de lajes, e a acertada localização destes elementos cumprindo com os alinhamentos previstos, sempre respeitando o desenho arquitetônico e a continuidade estrutural.

 

As juntas na fachada de um pavimento para o outro são os pontos da estrutura onde se apresentam mais problemas de alinhamento e verticalidade, onde geralmente se executam mais retrabalhos, com o fim de dar à estrutura a aparência desejada. Por isso, é de suma importância supervisionar os trabalhos que afetam diretamente estas áreas da estrutura, tendo especial cuidado na localização e montagem das formas e o adequado acabamento do concreto na superfície da laje, buscando deixar os níveis ideais com a finalidade de conseguir facilmente os prumos e ajustes da fôrma e também a qualidade das paredes e lajes concretadas.

 

Para poder controlar o alinhamento e a verticalidade entre os pisos (figuras 2 e 3) se faz necessário controlar os três pontos seguintes:

 

• Deve-se garantir o uso de elementos alinhadores que impeçam que os complementos de parede se movam e desloquem a altura da laje, isto com o fim de se obter paredes aprumadas na totalidade da sua altura (figura 4).

 

• O ponto de maior importância é restringir o movimento da base dos painéis com pinos ou elementos fortes sobre as marcações. Estas marcações devem ser feitas com suma precisão e sobre as lajes adequadamente niveladas, garantindo a localização da forma tal como indicam os projetos arquitetônicos, de acordo com a localização definitiva das paredes. Quanto melhor for a locação, e melhor niveladas as superfícies da laje, mais fácil será aprumar as paredes e o fechamento e fazer ajustes da fôrma de laje (figura 5).

 

• Se propõe o uso de um ângulo de arrastre ou painel de ciclo, com o qual se consiga fixar as fôrmas da fachada apoiando-as sobre estes dispositivos, que ajudam a restringir as movimentações das formas em suas bases e evitam a fuga da nata do concreto. Contudo, se não forem feitas as marcações e o nivelamento da laje de apoio de maneira adequada, certamente será impossível colocar o painel de ciclo ou ângulo de arrastre na base da forma de parede e, neste caso, estes dispositivos não funcionarão para se obter o prumo e a verticalidade esperados nas fachadas da edificação (figura 6).

 

Figura 2
Figura 3
Figura 4
Figura 5
Figura 6